Erik Weijers, há um ano

Será o ciclo a quatro ano uma coisa do passado?

É uma das primeiras coisas que ouve quando entra nas criptomoedas: há um mercado bull e um mercado bear, e estes compõem um ciclo de quatro anos. As subidas de preço mais acentuadas são sempre no ano após o halving da Bitcoin. Será que isto ainda é verdade, contudo? Se copiarmos e colarmos os movimentos de preço tradicionais sobre o ciclo atual, devíamos estar na fase mania no outono de 2021. Com aumentos de preço acentuados para a Bitcoin. Embora não nos possamos queixar do preço, aqueles enormes aumentos de várias centenas percentuais ainda não estão a acontecer.

O que se está a passar? O mercado mudou? Com imenso cuidado podemos afirmar que este ciclo é diferente daquele de 2017 e de 2013 – embora, reconhecidamente, até recentemente o ciclo atual foi muito similar ao de 2013. A uma subida acentuada seguiu-se uma correção de certa forma mais duradoura. Exceto que a segunda subida violenta ainda não ocorreu até agora.

Novos e maiores intervenientes no mercado

Uma nova legião de intervenientes entraram no mercado das criptomoedas. A esse respeito, o mercado é diferente durante o qual se deu a última explosão do preço da Bitcoin, em 2017. Os maiores intervenientes no mercado de capitais comportam-se de forma diferente daquela que os principais intervenientes o faziam antigamente. Eles cedem menos ao fomo (medo de ficar de fora). O seu comportamento de compra tende a ser a acumulação contínua. Algum reequilíbrio da cota de criptomoedas do seu portefólio uma vez por trimestre. Por outro lado, eles têm limites a que podem recorrer para manter o preço numa determinada área. No ambiente de mercado atual, as ferramentas financeiras são disponibilizadas para o mercado “short” no momento em que muitos pequenos investidores perder as suas cabeças. Os grandes intervenientes também têm capital suficiente para realizar isto.

Efeito menor dos mineiros e do halving

Até recentemente, os mineiros eram os únicos verdadeiros grandes participantes no mercado. Após cada halving trimestral, eles tinham subitamente apenas metade da Bitcoin disponível no mercado. Isto provocou um impacto no preço e um frenesim que se acumulou, até ao ponto em que todos, mais a sogra, queriam entrar na Bitcoin também. A predominância desses mineiros no mercado não só é mais pequena do que era em ciclos anteriores – o efeito do halving em si também está diminuir. É verdade que a recompensa do bloco ainda desce para metade a cada quatro anos, mas o efeito do impacto está a ficar mais pequeno. A recompensa do bloco descerá de 6.25 para 3.125 em 2024. Isto tem um efeito relativo mais pequeno do que a descida de 50 para 25 após o primeiro halving. Quando enche a sua piscina, apertar a sua mangueira de combate a incêndios tem um efeito maior do que apertar uma mangueira de jardim.

Declínio da dominação da Bitcoin

Outro fator que pode contribuir para uma rutura do ciclo a quatro anos é dominância gradualmente em declínio da Bitcoin. A Ethereum, por exemplo, não opera com halvings a cada quatro anos. O restante mercado das criptomoedas também tem um diferente cronograma de emissão em relação à Bitcoin. Atualmente, a Bitcoin ainda representa mais de 40% do valor de mercado total de todo o mercado de criptomoedas. Este número era superior a 90% até à primavera de 2017.

O último ciclo ou um mais longo?

O analista on-chain Willy Woo assume que devido a estes efeitos, o preço da Bitcoin já não se comportará mais segundo um ciclo de quatro anos. Ao invés, este continuará a subir numa “caminhada aleatória”. Com movimentos de preço menos explosivos ou mercados bear estendidos, no entanto, com correções de alguns meses aqui e ali, tais como a da primavera de 2021. Já agora, essas ainda são correções pesadas se as comparar com os mercados de ações. Certamente que todos terão o seu estômago testado, independentemente do curso exato deste ciclo, bem como dos futuros.

Benjamin Cowen é um de um grupo crescente de analistas técnicas que acredita nos ciclos recorrentes, mas observa que estes estão a ficar mais longos. Quando medimos o tempo do halving até ao topo do mercado bull, vemos que o ciclo de 2017 durou 35% mais do que o ciclo de 2013. O recente máximo histórico de 21 de novembro já torna o ciclo atual mais longo do que o anterior – e pode estender-se bem além de 2022, segundo Cowen.

Artigos em destaque
Quão segura é a Bitcoin?
Bitcoin e Ethereum: quais são as diferenças?
Quatro estratégias comerciais para criptos
Artigos relacionados
O Estado de Nova Iorque proíbe a exploração de novos combustíveis fósseis à base de mineração de Bitcoin

jun 06, 2022

O Estado de Nova Iorque decretou uma moratória sobre a mineração de Bitcoin com base em energia insustentável. Isto significa que durante os próximos dois anos nenhuma nova exploração mineira insustentável poderá ser iniciada ou ampliada. É a primeira vez nos Estados Unidos da América.

Negocie a qualquer hora e em qualquer lugar

Melhore o seu impacto de negociação e tempo de reação em +80 criptomoedas através do acesso instantâneo ao seu portifólio com o app LiteBit.

  • 2525 Ventures B.V.
  • 3014 DA Rotterdam
  • The Netherlands
Mais informação
  • Sobre a LiteBit
  • Carreiras
  • Conta comercial
  • Support
  • Vender
  • Notícias
  • Educação
Assine para receber atualizações

Registe-se para manter-se informado através das nossas atualizações por e-mail

Subscrever
Explore moedas populares
© 2022 LiteBit - Todos os direitos reservados