lb

Escrito por Erik Weijers há um mês

Será o consumo de energia da Bitcoin um problema?

Os críticos da Bitcoin não perdem nenhuma oportunidade para o fazerem: a Bitcoin consome tanta energia como alguns países. Os defensores da Bitcoin são rápidos a rebater: os navios de cruzeiro ou as máquinas de secar roupa de todo o mundo consomem exatamente a mesma energia – e qual é mais importante para a humanidade? Para encontrar uma saída destes campos de batalha de maçãs e laranjas, temos primeiro de compreender a relação entre o dinheiro e a energia. E quão renovável é a energia que a Bitcoin consome.

Arranquemos com a pergunta: o que é toda esta energia consumida pela rede Bitcoin? Simplificando: os mineiros (computadores especializados) têm de trabalhar pela sua Bitcoin e isso mantém-nos honestos quando acrescentam transações à blockchain. Essa é a base teórica do jogo daquilo que se designa por prova de trabalho. Quanto maior o consumo de energia de todos os mineiros Bitcoin combinados, mais segura é a rede.

A prova de trabalho faz com que seja extremamente dispendioso utilizar indevidamente uma rede de comunicações. O mecanismo de consenso foi idealizado nos anos 90 como uma forma de terminar com o spam nas redes de e-mail sem ter uma autoridade central a determinar o que é, ou não, e-mail admissível. Afinal, como é que a prova de trabalho pode funcionar aqui? Bem, se enviar um e-mail custa um pouco mais de poder computacional/energia (e, por conseguinte, dinheiro), já não é rentável para os remetentes de milhões de e-mails de spam inundarem a rede com o seu lixo.

No início de 2009, eram Satoshi e Hal Finney que estavam a minar Bitcoin nos seus portáteis. Nessa altura, qualquer um com más intenções e uma série de placas gráficas poderia ter assumido o controlo sobre a rede. Hoje em dia, isto requer tanto hardware e energia que até os governos que queiram erradicar a Bitcoin não têm qualquer possibilidade de o fazer. O consumo de energia, resumindo, é o preço que pagamos por uma forma de dinheiro que não pode ser sequestrada e é (praticamente) indestrutível num mundo onde vigoram as guerras de moedas.

Formas mais antigas da prova de trabalho

A prova de trabalho como a base do dinheiro existe há milhares de anos. O motivo pelo qual o ouro e a prata poderiam e podem ser dinheiro deve-se ao facto de serem metais raros: é necessário imenso trabalho para os encontrar e minar. Se todos encontrassem ouro no seu quintal, este não seria dinheiro.

Pedras rai

Uma forma fascinante e antiga de dinheiro prova de trabalho existiu há centenas de anos nas Ilhas Yap da Micronésia. Lá, os ilhéus construíram objetos em forma de círculo do tamanho de rodas de camião, feitas de calcário. Estas eram utilizadas para transações importantes. O calcário tinha de ser importado do Palau, uma ilha a mais de três centenas de quilómetros de distância. Após todo este transtorno, ainda era necessário imenso esforço para criar a pedra. Uma vez mais, se fazer a pedra tivesse sido fácil, esta não poderia ter sido dinheiro.

Pedras Rai, Micronésia

Prova de trabalho, participação ou força

Há outras formas de dinheiro além da prova de trabalho. Mas o dinheiro é sempre a prova de algo, tal como Lyn Alden explica no seu livro “O que é o dinheiro, afinal de contas?”. Caso tenha Bitcoin, isso é prova de que eu, ou alguém, fez o trabalho. A prova de participação baseia-se num princípio totalmente diferente: trata-se do modelo acionista, onde uma empresa ou projeto de criptomoedas é dividido em pedaços e distribuídos pelos acionistas, os quais podem votar no futuro do projeto. O nosso dinheiro do dia-a-dia (dinheiro fiduciário), finalmente, poderia ser designado por prova de força. Este é emitido por um governo que força os residentes a pagarem impostos na moeda em questão. Isto cria procura pelo dinheiro e atribui-lhe valor.

Ao analisarmos o dinheiro desta forma, torna-se rapidamente claro que a obsessão pelo consumo de energia da Bitcoin é miópica. Primeiro, há outras formas de dinheiro prova de trabalho das quais raramente ouvimos as pessoas se queixarem, mesmo embora consumam mais energia (poluente) do que a Bitcoin: o ouro em particular.

Em segundo, torna-se claro que as outras formas de dinheiro não são necessariamente melhores só porque funcionam de forma diferente. Será o dinheiro prova de força melhor do que o de prova de trabalho porque só porque consome menos energia? A prova de força é centralizada e é basicamente um poder em jogo que favorece as pessoas que estão próximas da prensa de impressão, nomeadamente aqueles que podem contrair facilmente empréstimos a baixas taxas de juro (e que serão resgatados na eventualidade de um incumprimento iminente). E, já agora, será realmente verdade que o dinheiro prova de força utiliza menos energia? Se seguirmos a cadeia de causa e efeito, poderíamos argumentar que todo o dinheiro é fruto do consumo de energia numa determina altura. Pense nisto desta forma: mais cedo ou mais tarde, as forças militares dos EUA vêm bater à porta de um país quando este deixar de pagar pelo seu petróleo em dólares. Certamente que esses militares consomem energia – e não na forma mais limpa. Ou será que já há tanques elétricos?

A ironia é que como a Bitcoin torna a ligação entre o dinheiro e a energia tão clara, esta recebe uma quantidade desproporcional de críticas.

Quanta energia é que a Bitcoin consome?

Atualmente (abril de 2022), a Bitcoin consome cerca de 15,8 Gigawatts de Bitcoin energia. Isso equivale a 140 TWh por ano. Isto é, de facto, comparável com o consumo de energia de um país como a Argentina. Mas é apenas cerca de um décimo de um por cento do consumo de energia global.

Comparação com o ouro

Ao invés de comparar o consumo de energia com o dos países, faz mais sentido olhar para outros tipos de indústrias. Afinal de contas, a Bitcoin produz dinheiro tal como outras indústrias produzem aço, alumínio ou bicicletas, sendo que este fim, estas precisam de eletricidade e de matérias-primas. Mas ainda mais convenientemente, podemos comprar a produção de Bitcoin com a produção de ouro. De facto, o ouro tem uma função similar, ou seja, é um veículo de poupanças resistente à inflação. O consumo de energia da mineração de ouro e da reciclagem de ouro é de certa forma menos fácil de determinar do que o da Bitcoin. No entanto, estima-se que sejam sensivelmente 265 TWh, isto é, sensivelmente o dobro do consumo da Bitcoin.

Consumo de energia por transação ou...?

Os críticos surgem habitualmente com dados sobre a quantidade de energia por transação que a rede Bitcoin utilizaria e, de seguida, elaboram valor elevados. Esta é uma linha de pensamento tentadora, contudo errada. Porque é que é errada? Porque os custos de energia são incorridos na mineração da Bitcoin, não nas transações. Para clarificar isto, a comparação com o ouro é uma vez mais útil. Ninguém divide o consumo de energia da mineração de ouro pelo número de transações de ouro que ocorrem por unidade de tempo (se é que a última pode ser determinada, de todo). Há um número fixo de Megabytes na blockchain Bitcoin, que leva a um número fixo de transações por bloco. Isto é independente do quão arduamente os mineiros gerem as suas máquinas.

Além disso, nem todas as transações Bitcoin ocorrem na blockchain Bitcoin em si. Considere todas as transações Lightning, ou transações noutras segundas camadas: estas só podem existir porque a blockchain Bitcoin continua a funciona. Essas transações de segunda camada superam de longe as poucas centenas que cabem em cada bloco da própria blockchain Bitcoin.

O consumo de energia enquanto custo de segurança

Na Bitcoin, conforme mencionado, o consumo de energia não se destina a processar transações, mas sim para proteger a rede. É como se fosse uma parede de energia a proteger uma base de dados. Por conseguinte, considere o consumo de energia como o custo de segurança ou custo de armazenamento. Mesmo que não faça quaisquer transações e só mantenha a minha Bitcoin, eu sei que os mineiros estão a trabalhar por mim, para protegerem o cofre digital. Assim sendo, a pergunta certa a colocar é, qual é a percentagem que nós, enquanto proprietários de Bitcoin, estamos a pagar por essa segurança? Essa percentagem, em 2021, era de cerca de 2% do valor total da rede: 18 mil milhões de encargos em segurança (energia, hardware) de um valor de mercado de 850 mil milhões. Esta percentagem era cerca de 5% há apenas cinco anos e era superior a 40% nos primeiros anos. Por conseguinte, o fardo dos custos de segurança estão a diminuir com o passar do tempo, tal como pretenderia de uma rede que está a escalar-se eficientemente.

Ano

Valor de mercado BTC ($)

Custos de segurança anuais ($)

% segurança/valor de mercado

2011

38 milhões

18 milhões

47%

2013

2 mil milhões

300 milhões

14%

2015

4 mil milhões

377 milhões

9,6%

2017

65 mil milhões

3,4 mil milhões

5,2%

2019

130 mil milhões

5,1 mil milhões

4%

2021 (1ºT.)

850 mil milhões

16,5 mil milhões

1,9%

Caso pudéssemos traçar os dados da tabela (fonte), veríamos que o consumo de energia da Bitcoin aproximar-se-á de um teto. Isto deve-se ao facto de os halvings da Bitcoin ocorrerem a cada quatro anos. Ainda que o preço continua a subir, este aumento, e, por conseguinte, o aumento no consumo de energia rentável, é compensado por um halving da emissão a cada quatro anos: o conhecidíssimo halving. O consumo de energia, enquanto uma percentagem do consumo de energia total na Terra, está previsto subir não muito acima dos 0,5%, mesmo se a Bitcoin subisse de preço por um fator de dez ou vinte.

Quão verde é o consumo de energia da Bitcoin?

A mineração de Bitcoin é muito competitiva e só é rentável para os mineiros se estes conseguirem adquirir energia barata. Este é um dos motivos pelos quais muitos mineiros de Bitcoin na China se encontravam próximos de centras hidroelétricas: durante a estação das chuvas havia um excesso de produção de energia e, por conseguinte, eletricidade barata. Isto retira um equívoco comum do caminho, nomeadamente que os mineiros estão a “roubar” energia dos consumidores.

Contudo, quão verde, em média, é o misto de energia que os mineiros compram? Esse é um forte ponto de debate entre os defensores e os opositores. O Conselho de Mineração de Bitcoin (BMC) elaborou uma estimativa de 58,5% de renováveis a nível mundial. Eles baseiam isto em números reais de 46% da rede global. Uma estimativa muito mais baixo é fornecida pelo crítico da Bitcoin Alex de Vries, cuja estimativa fica-se pelos 25% de misto de energia renovável. A crítica ao último estudo é que os autores baseiam as suas estimativas no misto médio de energia da região na qual os mineiros operam – enquanto o mineiro pode utilizar uma diferente fonte de energia.

Mas não tentemos resolver o argumento. Peguemos antes nas médias que os defensores e opositores reivindicam. Neste caso, chegamos a um misto de energia renovável de cerca de 41%. Esta é uma percentagem de renováveis superior ao consumo de energia renovável a nível mundial, que se estima rondar os 30%.

O consumo de energia da Bitcoin está a tornar-se mais renovável?

Mais importante do que a percentagem exata de energia verde é a tendência. Que desenvolvimentos estão a decorrer no campo do consumo de energia da Bitcoin? A tendência dos últimos anos é que a mineração de Bitcoin está a ajudar a tornar a rede de energia mais verde. Os mineiros estão, de facto, a ser integrados em instalações de produção e de geração de energia. Tanto para tornarem a energia produzida de forma sustentável mais rentável como para neutralizarem a energia produzida de forma insustentável.

Limpar a energia desperdiçada

Há imensos locais onde a energia é “desperdiçada”. Nos campos de petróleo, o metano é captura como combustível para os mineiros. Este metano seria, de outra forma, emitido para o ar.

Este exemplo deve apelar aos ativistas contra a Bitcoin (olá, Greenpeace!). A Bitcoin enquanto limpadora de energia desperdiçada: quão verde pode tornar-se? O efeito benéfico nas emissões de CO2 não pode ser maior do que quando se capta metano e o converte em CO”, um gás de efeito estufa menos potente do que o metano. E isto não se trata de pequenas quantidades. No estado do Dacota do Norte, nos EUA, uma quantidade do gás emitida para o ar é equivalente a dezenas de TWh de energia. Isso poderia alimentar uma parte substancial da rede Bitcoin.

A Bitcoin enquanto um subsídio para a construção de energia solar e eólica

Assim sendo, além de limpar a energia suja, a Bitcoin também atua como uma espécie de subsídio para a construção de quintas solares e eólicas. E iremos precisar destas nos próximos anos caso queiramos cumprir com as metas climáticas. Como é que isto funciona? Uma mina de Bitcoin é colocada em novos parques solares ou eólicos. Nas alturas em que os parques produzem um excedente de energia, as minas ligam-se. Os parques de energia eólica e solar precisam de ter uma sobrecapacidade considerável para conseguirem lidar com os picos na procura. Por conseguinte, estes têm frequentemente sobrecapacidade e, assim sendo, são menos rentáveis. Os mineiros de Bitcoin podem absorver esta sobreprodução. Isto está atualmente a acontecer em grande escala no oeste do Texas, onde muitas quintas solares e eólicas estão a ser implementadas.

Mina Bitcoin (fundo) integrada com parque solar no sul de Espanha. Créditos fotográficos: powcontainers.com

Stock de segurança/bateria para a rede

Mas porque é que os mineiros de Bitcoin deveriam preencher este papel? Certamente que há outros tipos de centros de dados que poderiam fazer isto? Infelizmente, não. Os mineiros de Bitcoin, ao contrário dos centros de dados geridos, por exemplo, pela Google, não têm de estar continuamente a funcionar. Por conseguinte, estes são mais flexíveis e podem absorver picos na rede mais facilmente. Além disso, os centros de dados das empresas de Internet precisam de estar próximos de áreas densamente populosas (os seus utilizadores). Um centro de dados próximo de um campo de petróleo remoto não faz qualquer sentido. Os mineiros de Bitcoin não têm essa limitação.

Conclusão

Será o consumo de energia por parte da Bitcoin um problema? Depende, em primeiro lugar, se vê a Bitcoin como uma solução para um problema. Muitas pessoas pensam que sim: basta perguntar aos refugiados da guerra da Ucrânia que conseguiram transportar alguns dos seus ativos pela fronteira sob a forma de Bitcoin. O multibanco já não podia ser utilizado e talvez nunca mais volte a ver a sua casa novamente. Também há casos de uso menos dramáticos, contudo importantes: as pessoas provenientes de países seguros estão protegidas contra a perda de poder de compra das suas poupanças. E essa perda do poder de compra é substancial. Infelizmente, com a elevada inflação e baixas taxas de juro de hoje, o dinheiro fiduciário já não desempenha o papel de uma reserva de valor. Tem de haver outra forma de dinheiro a preencher essa função.

Assumindo que a Bitcoin tem utilidade, a próxima pergunta é: será que outra criptomoeda, que consome menos energia, também desempenhar o seu papel? Até certo ponto, as outras criptomoedas conseguem fazê-lo. Os refugiados ucranianos também poderiam ter levado, por exemplo, a Solana ao atravessar a fronteira na sua carteira de hardware. No entanto, há diferenças substanciais entre as criptomoedas prova de trabalho e as criptomoedas prova de participação.

A comparação entre a prova de trabalho e a prova de participação é um tema complicado e que merece um artigo inteiramente dedicado a debater este assunto em particular. A maioria das outras criptomoedas são prova de participação e esse modelo representa os seus respetivos riscos. Em particular, o risco de centralização que também atormenta o sistema financeiro tradicional. Um pequeno grupo de proprietários torna-se cada vez mais rico (juro sobre juro) graças à sua cota (participação) e, por conseguinte, ganha mais e mais poder sobre quais as transações que são, ou não, válidas. Este risco de centralização e, por conseguinte, de abuso do poder, é muito menor num sistema monetário que funcione por prova de trabalho.

Portanto, considerando tudo o supracitado, será que o consumo de energia da Bitcoin, que é cerca de 0,1% do consumo global, é um problema? E considerando o facto de que o seu misto de energia é mais verde do que o consumido pelo seu Tesla comum? E considerando o facto de que a Bitcoin está a ajudar a impulsionar a indústria da energia rumo às renováveis?

Nós temos a nossa própria opinião, mas deixaremos que cada indivíduo tome a sua respetiva decisão. Todos são livres de decidir por si mesmos.

Negocie a qualquer hora e em qualquer lugar

Melhore o seu impacto de negociação e tempo de reação em +70 criptomoedas através do acesso instantâneo ao seu portifólio com o app LiteBit.

download app