Erik Weijers, há 9 meses

O que é uma ICO?

A ICO significa Oferta Inicial de Moeda. Um novo projeto de criptomoedas lança a sua respetiva moeda (token), que é vendida aos investidores iniciais. Este modelo de financiamento é similar à ronda inicial de emissão de ações de uma empresa. A diferença é que a emissão ICO é aberta ao público geral e não apenas reservada ao capital de risco.

A maioria das ICOs decorreram e decorrem na Ethereum. Neste caso, os investidores que acreditam no novo projeto pagam ETH e recebem os novos tokens em troca. Eles podem utilizá-los no ecossistema da nova app, ou simplesmente vendê-los com lucro mais tarde.

O progresso das ICOs

As ICOs permitem que os novos projetos de criptomoedas angariem dinheiro rápida e facilmente e recompensam os criadores e programadores pelo seu trabalho. Contraste isto com software que foi desenvolvido quando isto não era possível. Os criadores, de, digamos, o protocolo smtp (uma norma para enviar e-mails) não fez qualquer dinheiro com isso na altura. Ou olhemos para os primeiros programadores e utilizadores do Twitter. Suponha que esses programadores e adotantes iniciais tinham conseguido comprar moedas smtp ou moedas Twitter por uma pechincha? Eles valeriam muito mais agora e teriam sido recompensados pela sua fé e esforço no seu projeto. Assim sendo, a emissão de tokens resolve o problema da galinha e do ovo sobre como encorajar as pessoas a juntarem-se a uma rede quando esta ainda é pequena: dando-lhes propriedade parcial.

As ICOs também desbloqueiam um novo reino de oportunidades para os investidores. As ICOs tornaram possível as pessoas normais tornarem-se investidoras em startups de uma indústria em rápido crescimento.

Então é uma situação em que todos ganham? Em princípio, sim, não fosse o facto de que este novo modelo de financiamento também encorajou todos os tipos de lançamentos de projetos dúbios. Por conseguinte, não é de admirar que as ICOs estejam sob escrutínio dos fiscalizadores financeiros.

O SEC e as ICOs

O termo ICO deriva da IPO: Oferta Pública Inicial. Esta é a oferta pública inicial de uma empresa tradicional. A IPO permite que qualquer um se torne um acionista e permite que os investidores iniciais recuperem os seus investimentos. Para uma empresa tornar-se pública, esta deve cumprir requisitos definidos pelo fiscalizador dos mercados financeiros. Nos Estados Unidos, por exemplo, este papel é desempenhado pelo SEC. Uma preocupação relativa aos projetos de criptomoedas é que a sua moeda é vista pelo SEC como um valor mobiliário: sendo que nesse caso eles não podem emiti-la sem ser primeiro aprovada. Por exemplo, a Ethereum teve de percorrer um longo caminho em 2015 para ser confirmada que não é um valor mobiliário.

A DAO: uma das primeiras ICOs

Uma das primeiras ICOs foi Genesis DAO, ou DAO abreviada. A primeira Organização Autónoma Descentralizada era um fundo de investimento puramente baseado em software desenvolvido como um contrato inteligente na Ethereum. Os investidores nos tokens DAO receberam direitos de voto nos projetos nos quais a DAO pode investir. A ICO da DAO angariou mais de 160 milhões de USD em Ether em 2016: um êxito inesperado. As coisas correram mal quando um hacker encontrou uma falha no código e desviou ETH da DAO. Para resolver esta fuga e desfazê-la, a Ethereum Foundation decidiu reverter estas transações “ilegais”, mas apenas após um quente debate. A blockchain Ethereum passou por um fork a partir do ponto em que ocorreram as transações maliciosas. Este designado hard fork da Ethereum criou duas cadeias Ethereum.

O boom ICO de 2017 e 2018

Centenas de projetos angariaram dinheiro em 2017 com uma ICO na Ethereum. O pico da moda deu-se por volta de dezembro de 2017, quando mais de 1,5 mil milhões de USD foram angariados por mês. Isto explica o porquê do preço da Ether ter explodido em 2017, para mais de 1400 $: a Ether era a “matéria-prima” necessária para todas as transações. Na primavera de 2018, a moda terminou e o número de novas ICOs caiu a pique. Os preços dos novos tokens desceram de igual modo acentuado.

Alguns dos projetos do boom da ICO ainda existem e comprovaram ser bem-sucedidos. Exemplos destes são a Tezos e a IOTA: ainda aí para as curvas. Ou por exemplo a Cardano, que angariou 62 milhões de USD com uma ICO em janeiro de 2017. O valor de mercado atual da Cardano é de dezenas de milhares de milhões.

Mas muitas dessas ICOs acabaram por ser mal-sucedidas. A moeda Dragon, para enumerar uma, angariou mais de 300 milhões, mas vale agora apenas 1 milhão, se é que a moeda ainda é negociada de todo. E embora as intenções de muitos projetos fossem sem dúvida boas, também havia esquemas puros e brutos. Os designados “esquemas de saída”, onde os programadores e promotores arrumam subitamente as suas coisas após terem vendido as suas moedas. Nestes casos, dado que muitas ICOs não estavam registadas junto das autoridades financeiras de um país, os investidores não tinham qualquer proteção.

O número de ICOs tem vindo a diminuir. Hoje em dia, os projetos de criptomoedas também podem angariar fundos através de uma Oferta de Token de Segurança (STO) e Oferta Bolsista Inicial (IEO). Estas ofertas variam na forma como cumprem com as leis de valores mobiliários e sobre quem tem permissão para investir. Os primeiros dias do faroeste das criptomoedas terminaram.

A primeira app de topo da indústria das criptomoedas

À distância, o boom e queda da ICO pode ter-se parecido como uma bolha a explodir. Tudo ar quente, pode dizer um espetador que viu os preços dos novos tokens a colapsar. De certa forma, foi como é óbvio uma bolha. Mas conforme mencionámos, um pequeno número de projetos revelou ser muito bem-sucedido – exatamente o que esperaria de um mercado competitivo com inovação super rápida. Se, enquanto investidor, tivesse disposto o seu dinheiro por um grande número de ICOs, ainda ter-se-ia saído bem.

Sem contar com a Bitcoin, o princípio da ICO é de facto a primeira app de topo da indústria das criptomoedas. A ideia de que poderia elaborar uma plataforma de investimento e de negociação que era descentralizada e (praticamente) puramente baseada em software era revolucionária. A ICO foi uma das primeiras formas de finanças descentralizadas (DeFi) e espoletou a revolução DeFi.

Artigos em destaque
Quão segura é a Bitcoin?
Bitcoin e Ethereum: quais são as diferenças?
Quatro estratégias comerciais para criptos
Artigos relacionados
Explicação sobre a LooksRare: como é que a LOOKS está a desafiar a OpenSea

set 08, 2022

Os NFTs são um dos mercados de maior crescimento e já captaram o interesse de intervenientes globais como a eBay. O maior mercado de NFTs a nível mundial continua a ser a OpenSea, com uma receita anual de múltiplos milhares de milhões de dólares. Há bastantes motivos para os NFTs se terem tornado tão bem-sucedidos. Em primeiro lugar, as coleções de NFTs são divertidas e estão a criar fortes comunidades. Mas aquilo que é ainda mais importante é que há uma variedade de casos de uso para os tokens não-fungíveis.

Negocie a qualquer hora e em qualquer lugar

Melhore o seu impacto de negociação e tempo de reação em +80 criptomoedas através do acesso instantâneo ao seu portifólio com o app LiteBit.

  • 2525 Ventures B.V.
  • 3014 DA Rotterdam
  • The Netherlands
Mais informação
  • Sobre a LiteBit
  • Carreiras
  • Conta comercial
  • Support
  • Vender
  • Notícias
  • Educação
Assine para receber atualizações

Registe-se para manter-se informado através das nossas atualizações por e-mail

Subscrever
Explore moedas populares
© 2022 LiteBit - Todos os direitos reservados