litebit

Escrito por Robert Steinadler há um mês

O que é a Fintech? Uma Rápida Definição e Resumo das Fintechs das Criptomoedas

O termo Fintech é um jogo de palavras dos termos “finanças” e “tecnologia”, em inglês. Significa que são aplicadas novas e avançadas tecnologias a produtos e serviços avançados da indústria financeira. Neste artigo, vamos explicar o que é a Fintech, como funciona e que empresas na indústria das criptomoedas são os principais exemplos de Fintechs.

O termo engloba uma indústria em rápido crescimento, na qual a maioria dos negócios se focam em apps bancárias e de investimento, seguros e, finalmente, mas não menos importante, criptomoedas. Embora estes sejam exemplos típicos, há uma ampla variedade de serviços disponíveis que excedam estas aplicações. Uma coisa que todas as Fintechs têm em comum é focar-se nas necessidades do cliente, bem como nos respetivos negócios. Isto permite-lhes eliminar pontos problemáticos que as finanças tradicionais não conseguem superar.

A indústria Fintech é muito enorme e tem assistido a um tremendo crescimento durante o último par de anos. O mercado global valia sensivelmente 112 mil milhões de USD em 2021 e estima-se que vai atingir cerca de 332 mil milhões de USD em 2028. Um fator motriz para a indústria é que os bancos e outros negócios mais tradicionais preferem adotar a Fintech do que tentarem competir com esta. Frequentemente, isto é feito forjando parcerias ou através da aquisição de startups Fintech promissoras. É mais fácil para os intervenientes bem estabelecidos adotarem novas tecnologias e darem aos clientes orientados para o digital aquilo que eles querem. Desta forma, eles podem permanecer relevantes e não têm de temer a perda dos seus clientes.

O que é uma empresa Fintech?

As empresas Fintech focam-se habitualmente em integrar novas tecnologias como a IA, blockchain ou ciência de dados em produtos financeiros tradicionais. De facto, estes produtos tornam-se mais rápidos, mais seguros e muito mais eficientes. Devido a essa abordagem inovadora, as Fintech são um dos setores tecnológicos de maior e mais rápido crescimento. A negociação de ações, pagamentos, empréstimos, bem como pontuação de crédito são inovados através das suas atividades e modelos de negócio.

A indústria Fintech em si não é nova e tem vindo a evoluir muito rapidamente, a um rápido ritmo. As novas tecnologias fizeram sempre parte do mundo financeiro. Nos anos 50, do século XX, foram introduzidos os cartões de crédito para substituírem os cheques. Outras inovações que foram introduzidas durante as últimas décadas são os multibancos, negociação de alta frequência, pisos de negociação eletrónica e apps financeiras.

Algumas tecnologias que foram introduzidas através da Fintech focam-se nos clientes e em cumprir as suas necessidades de serviço oferecendo produtos de baixo custo que estão habitualmente acessíveis como aplicações móveis. Os mais recentes avanços utilizam a tecnologia blockchain, ciência de dados e aprendizagem máquina para otimizarem o que está a acontecer por detrás do pano e não entram imediatamente em contacto com os clientes individuais, tal como processar riscos de crédito ou fundos de cobertura automatizados. Também há negócios que se focam nos aspetos regulatórios dos produtos financeiros e, particularmente, nesses problemas que surgem quando a Fintech está a inovar o espaço sem ter um enquadramento regulatório à mão.

Uma das principais preocupações relativas à indústria Fintech é a cibersegurança. Com um crescimento tão massivo a uma escala global e muitos negócios e tecnologias a encontrarem-se, de certa forma, interligadas, mais riscos surgem. Aparentemente, esta estrutura está a tornar o setor mais vulnerável a ciberataques. Uma forma de lidar com estes problemas é a tecnologia blockchain, que torna determinados produtos financeiros mais resistentes a tentativas de manipulação.

 

Que Fintechs estão ativas no mercado?

Muitas pessoas ficam com a impressão de que a Fintech só envolve startups e a cultura startup. Conforme já discutimos, este não é inteiramente o caso. As empresas de seguros e os bancos estão a adotar as novas tecnologias e, por vezes, aventuram-se inclusive em desenvolvê-las. Analisemos mais de perto que indústrias estão a lucrar com as Fintech e também iremos dar alguns exemplos de projetos relacionados com a blockchain nesses campos.

Bancos e Neobancos

Um dos maiores setores envolve o mobile banking, que se foca na experiência do cliente. Estes produtos são tipicamente apenas uma app para smartphone e oferecem serviços bancários como um produto de estilo de vida. Os bancos que são impulsionados pelas Fintech são designados “Neobancos” e uma das maiores vantagens é que não dependem das filiais locais, que envolvem um custo elevado para o setor bancário tradicional.

Os neobancos oferecem tipicamente acesso a contas bancárias, empréstimos e cartões de crédito a baixos custos com uma estratégia de digital primeiro. Alguns estão inclusive abertos a criptomoedas como o Revolut ou Nuri. Outros dos principais exemplos são a Chime, Finom, Simple, N26 e Varo.

Criptomoedas e blockchain

As criptomoedas e particularmente a Bitcoin estão a desafiar o sistema bancário tradicional. É por isso que a muitas pessoas percecionam as tecnologias subjacentes como não fazendo parte das Fintech. Mas isto não poderia estar mais longe da verdade. A Bitcoin, por si só, oferece dezenas de casos de uso e casos de negócio que podem ser incorporados na sua blockchain.

Há ainda mais que pode ser feito nas plataformas de contrato inteligente como a Ethereum, Solana e Cardano. Cada oferece inúmeras oportunidades para protocolos individuais que podem mudar muitas coisas, incluindo a gestão de identidade, finanças, seguros descentralizados, empréstimo, rendimento com farming e muito mais. As criptomoedas e blockchain são frequentemente percecionadas como esta bolha especulativa, enquanto na realidade oferecem Fintech concreta às massas. Exemplos de protocolos bem-sucedidos são a Aave, Coti, Mango e dezenas mais.

Investimento e Poupanças

O investimento é talvez um dos setores que mais foi perturbado no último par de anos. Devido às baixas taxas de juro, era impossível ganhar qualquer rendimento com as poupanças. Com apps de investimento como a Robinhood, Stash ou TradeRepublic, as coisas mudaram drasticamente. Elas permitiram que os investidores individuais tivessem o mercado das ações disponível na ponta dos seus dedos e investissem pequenas quantias com baixos custos.

Outro aspeto são as contas de poupanças oferecidas pelos Neobancos, mesmo embora estes produtos fossem muito menos atrativos devido à situação no mercado durante os cerca de últimos dois anos.

Aprendizagem máquina e negociação automatizada

Digamos que consegue prever para onde é que o mercado se vai deslocar durante as próximas semanas. Parece bem, certo? Com a aprendizagem máquina e IA, isto é absolutamente possível para os investidores individuais, bem como para os investidores institucionais. Uma astronómica quantidade de dados é analisada por estas tecnologias Fintech para preverem o resultado durante um determinado período de tempo. Como é óbvio, o algoritmo nem sempre acerta, no enact, consoante a tecnologia, tem uma taxa de sucesso impressionante.

Revolucionar os pagamentos

Os pagamentos são o aspeto financeiro mais importante da vida quotidiana. Também é por isso que muitos negócios Fintech se focam em melhorar este setor. É mais fácil e mais rápido enviar dinheiro e, consoante onde vive ou para onde viaja, também é mais barato. Pode transferir um pagamento praticamente instantaneamente. As plataformas bem-sucedidas neste setor são PayPal, Venmo, Stripe, Zelle e também a Square.

Empréstimo

O empréstimo e o crédito têm, basicamente, tudo a ver com a gestão de risco de uma perspetiva comercial. As Fintechs focam-se habitualmente em acelerar o processo de avaliação e aprovação para tornar as coisas mais fáceis para os bancos e empresas que estão a emprestar aos clientes ou clientes comerciais. Outro grande fator é que as Fintech se focam em créditos do consumidor, tornando-os disponíveis dentro de alguns minutos utilizando apenas um smartphone e uma aplicação.

Com as Fintechs a gerirem os resultados de crédito de fundo, os clientes podem aceder aos seus resultados, tornando este tipo de negócio mais transparente. Os bancos e credores, por outro lado, obtêm acesso a dados mais fiáveis. As empresas de crédito que constituem bons exemplos são a Petal, Tala e Credit Karma.

Seguros

Embora os seguros não sejam necessariamente um produto financeiro, eles ainda se enquadram nas Fintech. Uma vez mais, a gestão de risco desempenha um enorme papel neste ramo, porque os seguros só podem ser bem-sucedidos se o resultado superar o risco que é assegurado. Isto significa que o seguro pode lucrar com a aprendizagem máquina e ciência de dados, bem como otimizar processos internos através de tecnologia inovadora.

Outro fator importante é oferecer seguros como uma aplicação self-service a clientes orientados para o digital, quer seja um seguro automóvel, de saúde ou de vida. Todos estes setores podem obter uma enorme vantagem utilizando as Fintech para melhorar os seus modelos de negócio.

Negocie a qualquer hora e em qualquer lugar

Melhore o seu impacto de negociação e tempo de reação em +70 criptomoedas através do acesso instantâneo ao seu portifólio com o app LiteBit.

download app