lb

Escrito por Erik Weijers há 4 meses

Bitcoin e Ethereum: quais são as diferenças?

Nas criptomoedas, ainda é muito a Bitcoin e as restantes. Dessas restantes, a Ethereum está na linha da frente. Tanto a Bitcoin como a Ethereum já se encontram nos balanços de instituições reputáveis - embora isto seja mais comum com a Bitcoin. No entanto, as diferenças fundamentais entre os projetos são grandes. Tudo bem. Afinal de contas, dá um propósito a ambos.

Resumindo, para que são utilizadas a Bitcoin (BTC) e a Ethereum (ETH)?

  • A Bitcoin é utilizada como moeda forte ou “ouro digital”. As pessoas, negócios e governos compram BTC para armazenarem os seus ativos e ficarem protegidos da inflação e confiscação induzida pelo governo.
  • A Ethereum é utilizada como plataforma para desenvolvimento de software na qual são desenvolvidas todos os tipos de (principalmente) aplicações financeiras. Considere as plataformas de negociação descentralizadas e os mercados NFT. Para executar essas aplicações, é necessária a moeda Ether, o que cria procura pela ETH.

Talvez pense: para que é que precisamos da Bitcoin e da Ethereum? Afinal de contas, já temos dinheiro e já temos software no qual desenvolvemos aplicações. A resposta é que a Bitcoin e a Ethereum baseiam-se na tecnologia criptográfica e blockchain. Fruto disso, a propriedade dos ativos digitais encontra-se na pessoa que tem as chaves privadas. Assim sendo, não há nenhum (ou praticamente nenhum) risco de contraparte: nenhum banco ou governo que possam falir ou que, quando tudo terminar, detenha os seus ativos. Este aspeto de propriedade inabalável está especial e altamente desenvolvido na Bitcoin.

Agora olhemos para as diferenças entre a Bitcoin e a Ethereum: origem, estrutura de poder, volatilidade, competição e projeções de preço.

Origens

A diferença entre a Bitcoin e a Ethereum começa com as suas origens. A Bitcoin foi originalmente (2009) um projeto fundamentalmente diferente de todas as outras criptomoedas que se seguiram. Precisamente porque as condições segundo as quais a Bitcoin emergiu não podem ser copiadas, a Bitcoin não pode ser copiada ou substituída com êxito. Esta foi criada em 2009 como um sistema de pagamento peer-to-peer experimental. O lançamento da blockchain Bitcoin iniciou-se com 0 Bitcoin em circulação. As moedas não tinha preço durante o primeiro ano e meio: era puramente um projeto voluntário de pessoas que acreditavam num sistema financeiro melhor.

Compare-a com a Ethereum, onde a equipa de fundadores fez uma designada pré-mineração e vendeu a primeira carga de Ether no mercado. Isso foi em 2014. Foi assim que financiaram o seu projeto. O idealismo não era menor aqui, mas as expetativas de ganho financeiro devem ter sido diferentes. Por esse motivo, ainda paira a ideia de que a Ether é um valor mobiliário segundo a lei dos EUA. Eles escaparam a essa classificação, mas muitos outros projetos similares de criptomoedas ainda temem processos judiciais - não que isto represente o fim de um projeto, mas ainda assim. A Bitcoin não tem estes problemas.

Quem tem o poder?

Uma piada nos círculos da Bitcoin é que o “CEO da Bitcoin recusou comentar”. Isto é citado quando uma agência governamental fez uma vez mais um comentário negativo sobre, digamos, o consumo de energia. Servindo apenas para demonstrar que a Bitcoin é uma rede descentralizada, sem nenhum conselho, acionistas ou equipa de RP. É uma rede, um protocolo, um pouco similar a como o TCP/IP (transmissão de dados na Internet) ou SMTP (tráfego de e-mail) são protocolos. É verdade que as partes envolvidas na Bitcoin - programadores, mineiros e executores de nós - podem fazer alterações ao código fonte. Mas nenhuma destas entidades tem poder suficiente para impor a sua vontade. Isto cria estabilidade - mas o contratempo é o que o desenvolvimento é lento.

Contraste isso com a Ethereum. Estritamente falando, não há nenhum CEO. No entanto, há um fundador proeminente ao leme: Vitalik Buterin. Ele e a sua equipa têm uma palavra decisiva nas principais atualizações. Alguma decisões são muito abrangentes, tais como a infame decisão de dividir a blockchain (histórico de transações) após um ataque em 2016. No processo, a versão pirateada da blockchain foi invalidada por decreto e as transações foram revertidas. Isto demonstra que, afinal, a Ethereum tende a ser uma entidade corporativa ao invés de ser um protocolo descentralizado. Escrevemos “tende” porque a estrutura de poder ainda é mais descentralizada do que numa empresa publicamente negociada.

Curiosamente, essa centralização ainda era um problema no primeiro ano da Bitcoin. Na altura, foi o fundador Satoshi Nakamoto que fez alterações como um “ditador benevolente” faria. Por conseguinte, os bitcoiners devem ser cuidadosos antes de soprarem as trompetes da vitória aqui.

Quão mutáveis são?

A Bitcoin, enquanto protocolo, está gravada em pedra em muitas formas fundamentais. O facto de que nunca haverá mais do que 21 milhões de Bitcoins em circulação está fixado pelo protocolo. As probabilidades de iso mudar são tão altas quantas a Gênese deixar de ser o primeiro livro da Bíblia. Muitos proprietários consideram esta certeza tranquilizadora, como é óbvio.

Compare isto com a Ethereum: nesta, o preço de emitir dinheiro ainda está a ser aprimorado. É um processo experimental e não há qualquer garantia de que os parâmetros não serão alterados muitas mais vezes. Isto fornece flexibilidade para responder àquilo que o mercado quer. O contratempo é que não inconcebível que a “impressora de dinheiro” seja um dia ligada com tanta frequência quanto o é no sistema financeiro tradicional.

Transição para a Prova de participação

A Bitcoin e a Ethereum começaram como sendo um protocolo prova de trabalho (PoW), o que quer dizer que o consumo de energia protege a rede: a energia é o pilar do mecanismo de consenso que alcança transações válidas. Dificilmente há uma possibilidade de que a Bitcoin troque, assim tão cedo, para um mecanismo de consenso que não o PoW. Por mais que o lobby ambiental tente. A Ethereum, contudo, já está perto de trocar para a prova de participação. Este é mais como um modelo de acionistas, onde não são os mineiros que são pagos, mas sim os proprietários da ETH que “participam” (bloqueiam) os seus ETH na bolsa para “dividendos” de recompensas de participação. A vantagem é o consumo de energia muito mais baixo da prova de participação quando comparado com a prova de trabalho. O possível perigo é a centralização de poder nas mãos daqueles que detêm a maioria da ETH.

A passagem para a prova de participação destaca outro problema com a Ethereum, que é que a PoS é muito mais complexa em termos de software e, por conseguinte, mais vulnerável. A linguagem de programação na qual a Ethereum é escrita está a “ficar completa”, o que significa que pode executar qualquer computação imaginável sobre esta. Esta flexibilidade/complexidade também acarreta um risco, nomeadamente a possibilidade de emergirem vulnerabilidades imprevistas a ataques cibernéticos.

Que concorrência é que enfrentam?

A Bitcoin teve sempre pretendentes ao trono. Nos primeiros anos, estes eram praticamente cópias ou forks que tentaram distinguir-se da Bitcoin de algumas formas, tais como o tamanho dos blocos (Bitcoin Cash). Esses forks nunca chegaram realmente a arrancar. É por isso que, por agora, está praticamente estabelecido que a Bitcoin permanece a única interveniente no seu nicho de moeda forte. Foi a primeira - um facto que não pode ser copiado. Tem o efeito de rede dos utilizadores, programadores e mineiros. E tem o nome da marca - tudo coisas que são difíceis de replicar.

A Ethereum nunca foi uma concorrente direta da Bitcoin, de qualquer das formas: é um projeto totalmente diferente e é desenvolvido como uma blockchain Turing-completa. Isto é, a Ethereum tem uma enorme gama de aplicações concebíveis. A Bitcoin, por outro lado, está limitada a uma coisa: ser moeda forte. Isto significa, contudo, que a Ethereum está a pescar num lago onde muitos competidores estão à espreita para reivindicarem cota de mercado. Esta tem uma liderança no mundo das blockchains de plataforma de contrato inteligente, mas continua por se ver o quão permanente isto é.

Expetativa de preço

A Bitcoin é legitimamente designada por ouro digital: tem muitas das características do ouro (escassez, imutabilidade, ser inexpugnável), mas abstraída e adaptada para o mundo digital. Se a Bitcoin tivesse um valor total de mercado similar ao ouro, isto significaria um valor total de mercado de cerca de 12 biliões de USD (cerca de 500 000 $ por Bitcoin).

Para a Ethereum, essa referência não é tão fácil de determinar. Precisamente porque é uma plataforma na qual basicamente qualquer coisa é possível: isto faz com que o mercado total abordável seja tão enorme. Atualmente, a atividade económica na Ethereum advém das aplicações nas Finanças Descentralizadas (plataformas de empréstimo e de negociação) e dos mercados NFT (arte digital). Esses dois mercados por si só dão atualmente à Ethereum um valor total de mercado na ordem de algumas centenas de milhares de milhões de dólares. Será que a Ethereum vai cumprir a sua promessa de ser a plataforma número um na qual muitas transações financeiras e aplicações (desde negociação de ações até seguros) irão decorrer? Se sim, o seu valor atual é um pedaço daquilo que poderá ser.

Aviso legal: é importante perceber que ambos os projetos de criptomoedas - embora já sejam dinossauros no mundo das criptomoedas - ainda são especulativos. Ainda não é claro como que é que a utilização se irá desenvolver nos próximos anos e como é que as leis e os regulamentos irão evoluir. Por conseguinte, ambos permanecer investimentos de alto risco - apesar de serem claramente os projetos mais sólidos dentro das criptomoedas.

Curva de adoção

O preço das criptomoedas está fortemente relacionado com a utilização. Para determinar se algo é um bom investimento, é aconselhável não olhar em demasia para os gráficos diários, mas sim para os fundamentos. O número de utilizadores / endereços / apps / lojas onde pode pagar estão a aumentar?

Os maiores saltos nos números de utilizadores (adoção) e no preço são feitos nos primeiros anos, após o lançamento. Dado que a Bitcoin existe há mais tempo do que a Ethereum, isto talvez signifique que há um pouco menos de subida no preço. A BTC já superou dois mercados bull e bear adicionais e o seu preço - embora ainda volátil - é de certa forma mais estável do que o da Ethereum. Por conseguinte, talvez a Ethereum tem uma maior vantagem. Não é inclusive inconcebível que a ETH possa superar a BTC em termos de valor total de mercado. Por outro lado, com a Ethereum o risco de algo correr mal é também maior. Conforme mencionámos, o software da Ethereum é muito mais complexo, a governação é menos descentralizada e a concorrência é maior.

Conclusão

A Bitcoin e a Ethereum são fundamentalmente bestas diferentes. Listamos as diferenças que discutimos supra.

Bitcoin

Ethereum

Finalidade (nicho)

Moeda forte/ouro digital

Plataforma para aplicações financeiras (e outras)

Mecanismo de consenso

Prova de trabalho

Prova de participação (brevemente)

Programabilidade (número de possíveis aplicações)

Baixa

Alta

Risco de vulnerabilidades no software

Baixo

Médio

Possível crescimento do valor total de mercado

Médio

Alto

Competição no seu nicho

Baixa

Alta

Em que projeto acredita mais? Imagina um mundo onde ambos existem? Baseado nestas e noutras decisões de investimento, pode determinar se e até que extensão deve incluir a BTC e a ETH no seu portefólio.

Negocie a qualquer hora e em qualquer lugar

Melhore o seu impacto de negociação e tempo de reação em +80 criptomoedas através do acesso instantâneo ao seu portifólio com o app LiteBit.

download app