lb

há 3 meses

O que é um Hard Fork? Uma jornada histórica

Um hard fork é um passo que é por vezes necessário se uma rede estiver a planear lançar uma atualização significativa. Muitas pessoas habituaram-se a este porque tornou-se comum para muitos diferentes projetos evoluírem as suas blockchains utilizando hard forks. Um evento recente foi o hard fork da Cardano para lançar a atualização Alonzo. Tudo correu bem, e desde o hard fork, as capacidades de contrato inteligente tornaram-se disponíveis na blockchain da Cardano. Outro exemplo famoso é a Monero, que está a fazer hard forks numa base mais ou menos regular para atualizar a sua blockchain.

Mas nem todos os hard forks são planeados ou benignos. Neste artigo, gostaríamos de mergulhar mais aprofundadamente, explicando o básico e convidá-lo para uma jornada com exemplo históricos de hard forks.

Um hard fork é uma alteração radical

Os hard forks destinam-se a mudar uma rede e a blockchain subjacente. As alterações são tão drásticas que todos os participantes da rede têm de atualizar o software. Um hard fork é frequentemente utilizado para alterar características vitais do protocolo de uma blockchain. Em alguns casos, isto pode ser uma atualização como a que explicámos supra. Contudo, noutros casos, pode ser utilizado para criar uma criptomoeda diferente.

Um exemplo recente é a divisão entre a BTC e a BCH. Durante 2017, tornou-se claro que uma fração da comunidade Bitcoin estava insatisfeita com a forma como a Bitcoin se estava a desenvolver. Eles procuravam resolver o problema de escalabilidade utilizando blocos maiores ao invés de outras soluções como a Rede SegWit ou Lightning. Dado que este grupo tinha apoiantes suficientes, eles bifurcaram simplesmente a blockchain Bitcoin.

O resultado foi a criação da Bitcoin Cash (BCH). A blockchain BCH utilizou eficazmente um protocolo diferente, mas os utilizadores não foram forçados a escolher um lado. Ao invés, os desenvolvedores da BCH criaram uma réplica da rede, o que significa que todos que detinham Bitcoin (BTC) durante esse período também tinham a mesma quantia de Bitcoin Cash (BCH).

Como é que funciona?

Durante o hard fork, os nós que executavam o novo software não aceitaram a versão antiga da blockchain. O resultado é uma versão antiga da blockchain e uma nova. Se o hard fork fizer parte de uma atualização, este tem habitualmente consenso na rede, o que significa que a maioria dos nós atualizar-se-ão de imediato, ou pelo menos num curto período de tempo.

Mas se o fork é iniciado sem consenso, a rede arrisca-se a ser dividida. Isto pode ser particularmente perigoso se ambas as partes reivindicarem executar a versão correta do protocolo. Em caso de disputa, a blockchain mais comprida é considerada a sucessora por direito. Ironicamente, esse cenário aconteceu no final de 2020 à Bitcoin Cash, porque uma parte da comunidade favoreceu uma taxa de desenvolvedor que era suposto ser deduzida da recompensa do bloco.

Dado que eram necessários mineradores para o consenso, a nova blockchain tornou-se a cadeia mais curta e foi rejeitada. Porque é que os mineradores optam por partilhar no final de contas?

Um hard fork é perigoso?

Se for utilizado como um método para atualizar a rede com consenso da comunidade, não. No entanto, deve evitar fazer quaisquer transações durante o evento e aguardar até que os desenvolvedores deem o sinal verde e anunciem que o hard fork foi iniciado com êxito.

Todavia, num cenário onde parte da comunidade utiliza um hard fork para forçar os demais a aceitarem uma nova versão do protocolo, as coisas podem mudar drasticamente. Realizar transações durante esse período pode ser potencialmente perigoso porque uma das duas blockchains perderá. Se a transação não for suportada na blockchain vencedora, isto pode levar a um resultado desastroso para os utilizadores.

Este é um dos motivos pelos quais esses hard forks podem criar uma descida de preço, porque os investidores e traders evitam frequentemente incerteza durante a transação.

Outros motivos para um hard fork

Um hard fork não só é necessário para uma mudança drástica no futuro de uma blockchain. Esta também pode reverter o passado. Um dos melhores e maiores exemplos é o designado ataque DAO na história da Ethereum. O ataque provocou uma perda massiva para muitos investidores, deixando efetivamente os desenvolvedores da Ethereum com uma escolha.

Eles poderiam aceitar que o pirata cibernético se safasse com o seu crime, ou revertiam todas as transações. O ataque DAO tornou-se um ponto de viragem de dois sentidos para a Ethereum. Embora a blockchain tivesse sido reposta utilizando um hard fork, a decisão também criou uma nova criptomoeda.

Uma parte da comunidade não ficou satisfeita com a decisão e criou a Ethereum Classic (ETC) utilizando a cadeia antiga com os resultados do ataque DAO ainda em vigor. Uma reversão desta é muito rara dado que é um princípio das criptomoedas de que todas as transações são finais.

Negocie a qualquer hora e em qualquer lugar

Melhore o seu impacto de negociação e tempo de reação em +40 criptomoedas através do acesso instantâneo ao seu portifólio com o app LiteBit.

download app