lb

há 3 dias

Os mineiros de Bitcoin aquecem a estufa

A mineração de bitcoin, tal como a conhecemos, consome imensa energia: as berrantes farms de servidores são uma afronta para muitas pessoas que se preocupam com a sustentabilidade. No entanto, hoje em dia, há formas mais inteligentes de conectar os mineiros bitcoin a indústrias existentes e inclusive de dar-lhes um impulso para a sustentabilidade. Um exemplo holandês advém da indústria das estufas.

Os cultivadores de estufa holandeses estão numa posição especial. Eles têm uma obrigação para com o governo de se livrarem do gás antes de 2040. Mas como? Soluções tais como a energia geotermal não estão disponíveis em todas as localizações e muitas empresas de horticultura de estufa já têm fábricas combinadas de calor e energia (CHP). Estas funcionam a gás e fornecem calor para a estufa e o CO2 para as plantas. Alguma da eletricidade gerada é utilizada para iluminação, mas uma proporção significativa é um subproduto, o qual voltam a alimentar na rede.

Na estufa, a empresa holandesa Sustainable Data Farming (SDF) acrescenta um “elo” ao CHP: a eletricidade gerada é utilizada para alimentar os mineiros de bitcoin. O calor libertado pelo processo de mineração tem valor aqui: este vai para a estufa. Isto é feito imergindo o equipamento num banho de designado fluído dielétrico. Este é bombeado e liberta o seu calor através de um comutador de calor. Segundo a SEDF, isto reduz o consumo de gás em cerca de 40%.

O cofundador da SDF Jelmer ten Wolde foi recentemente um convidado do programa de rádio BNR CryptoCast, onde explicou o processo: "Podemos olhar para a Bitcoin minada como o subproduto. Mas esta é uma grande parte da receita. Ao preço atual do gás, cerca de 55% da nossa receita advém da bitcoin.” Como é óbvio, a energia da estufa beneficia disto: os mineiros pagam muito melhor do que alimentar a eletricidade não utilizada novamente para a rede.

Livrar-se do CHP

Ten Wolde continua explicando que integrando os mineiros com CHPs alimentadas por gás pode ser um passo intermédio para o aquecimento elétrico das estufas. "Para empresas de pequena e média dimensões, o aquecimento elétrico ainda não é eficaz em termos de custo: o governo só encoraja-o para as suas empresas que compram 5 Megawatts ou mais. No entanto, com o decorrer do tempo esperamos um excesso de capacidade da produção sustentável do sol e do vento. Isso significa eletricidade mais barata. Nessa altura, o aquecimento elétrico pode tornar-se viável para a horticultura de estufa. Nessa altura, as estufas podem eliminar os seus CHPs e trocar para uma estufa que é inteiramente alimentada a eletricidade, o calor para o qual advém da mineração da bitcoin. Pode vê-lo desta forma: estamos a fornecer uma ponte para uma transição energética futura."

Curiosamente, a iniciativa holandesa também tem um homónimo na Suécia, onde uma estufa é aquecida por um centro de dados arrefecido a ar.

Recolhedores de lixo do mercado de energia

Outra forma dos mineiros bitcoin fazerem negócio com o mercado de energia tradicional é nos campos de petróleo. O subproduto dos campos de petróleo e de gás natural é normalmente um produto de desperdício que é queimado, mas também pode ser utilizado como uma fonte de alimentação para os servidores. Isso representa reduções das emissões de CO2 nas dezenas de por cento.

Em todos estes casos, as minas de bitcoin agem como uma espécie de subvenção para capturar energia residual que de outra forma seria (amplamente) perdida.

Negocie a qualquer hora e em qualquer lugar

Melhore o seu impacto de negociação e tempo de reação em +40 criptomoedas através do acesso instantâneo ao seu portifólio com o app LiteBit.

download app